Quel

Archive for setembro 2009

Mensagem Subliminar III: A Pequena Sereia

with 8 comments

pequena sereia capaJá critiquei as supostas mensagens subliminares dos livros do Harry Potter e do filme da Cinderela; e mais uma vez venho compartilhar as bizarras notícias de subliminares, desta vez, no filme A Pequena Sereia (1989):

A primeira mensagem subliminar apontada em tudo quanto é site sobre o assunto é a suposta imagem de um pênis que aparece no palácio de Tritão. Antes de julgarmos se a figura é capaz de incitar o desejo sexual em alguém, é preciso nos perguntar se no nosso dia-a-dia não nos deparamos com outras imagens semelhantemente penisesfálicas. Não foi preciso buscar muito no Google para encontrar imagens assim em legumes e árvores. Então será que podemos mesmo julgar que o desenhista do palácio quis que uma coluna nos remetesse a um órgão sexual?

Aproveito para lembrar que, na Roma Antiga, crianças costumavam pendurar no pescoço pingentes em forma de pênis: era uma forma de atrair boa sorte e reverenciar o deus Priapo. Também as figas, cujo uso ainda perdura, são referências ao deus fálico, portador de um avantajado membro. Será que os mesmos puritanos que condenam o filme da Disney não possuem em casa uma “inocente” figa, símbolo da pepriaponetração sexual? E que medo é esse de imagens que nos remetem ao sexo? Elas não nos tornam mais devassos. A malícia está na cabeça das pessoas. Na Roma antiga, os jardins eram decorados com imensas estátuas de pênis e as pessoas ostentavam na sala de suas casas imagens de um Priapo nu. Tudo muito normal. Ninguém se ofendia. E então veio a Igreja proibir, condenar, reprimir.

Na capa também surgem comentários a respeito da posição do príncipe ao lado de Ariel. Uma pergunta que algum caça-sublimar propôs e que foi repetida em todos os sites do gênero é: onde está a mão dele? Oras! Qualquer pessoa com bom senso, levando em conta as proporções anatômicas humanas, perceberá que a mão dele não está em nenhuma posição suspeita. De qualquer forma, a Disney, provavelmente para evitar maiores comentários, desenhou a mão dele em cima da pedra na capa para a nova versão do filme.

padre eretoMas não é só no palácio de Tritão que os puritanos fazem questão de ver um pênis. Dizem que o padre que celebra o malfadado casamento está excitado: quanta imaginação! Pois se aquela dobrinha na roupa do padre é um sinal de excitação, o membro dele é um tanto desproporcional em relação ao resto do corpo. E a dobrinha surge logo após um movimento que ele faz com os braços, sugerindo um simples movimento da batina e não uma ereção (veja aqui). De qualquer forma, na versão em DVD, a dobrinha na roupa do padre não aparece mais, e só sabemos que ela estava lá por conta dos mil sites que exibem a imagem da versão antiga do desenho.

sereia nao sexyUma ONG criada para denunciar mensagens subliminares viu sensualidade demais no corpo de Ariel. É curioso observar que, embora o site se refira claramente à princesa da Disney, a imagem exibida é a de uma versão genérica para a história da pequena sereia. Mas o caso é que a princesa tem curvas, é magra: típico padrão de beleza difundido pela sociedade e que, sereia sexynão se pode esquecer, faz parte do imaginário popular em relação às sereias; mas não vejo nada de exageradamente sensual em sua imagem. Que o pessoal do site não veja as versões mais picantes para a princesa que andam aparecendo na internet!

Enfim, acredito que subliminares existem e que é interessante sua divulgação na internet; mas falta muito bom senso. Antes de se colocar fogo em todas as animações da Disney, acho importante prestar mais atenção e se perguntar sempre se, de fato, é no filme que a malícia está.

Anúncios

Written by Quel

setembro 16, 2009 at 1:08 am

Libertas que será também

with 5 comments

Na bandeiraBandeira_Minas mineira lê-se: Libertas quae sera tamen.

A tradução desse verso, escolhido pelos inconfidentes para estampar a bandeira do estado de Minas Gerais, gera discussão somente entre os latinistas, pois, para grande parte da população, a indiscutível tradução seria “Liberta que serás também”.  E assim dizia ter traduzido Vinícius de Moraes no poema Pátria Minha:

Mais do que a mais garrida a minha pátria tem
Uma quentura, um querer bem, um bem
Um libertas quae sera tamen
Que um dia traduzi num exame escrito:
“Liberta que serás também”

O lema latino é um verso que compõe a obra Bucólicas (também conhecida por Éclogas), de Virgílio. O famoso poeta da Eneida assim escreveu:

Libertas, quae sera tamen respexit inertem,
candidior postquam tondenti barba cadebat,
respexit tamen et longo post tempore venit,
postquam nos Amaryllis habet, Galatea reliquit.

(Bucolica, I, vv. 27-30)

Gosto de uma antiga tradução para esse trecho (de A.T.M., 1825):

A liberdade; a qual inda que tarde
Com tudo sobre mim então inerte,
Quando eu já branca tinha a minha barba,
Suas vistas lançou mui favoráveis.
Sim seus olhos pôz em mim, e chegou
Longo tempo depois, quando Amaryllis
Em seu poder nos tem, e Galeteia
De todo nos deixou inteiramente.

Entre as traduções aceitáveis para  o lema da bandeira a mais comum é “Liberdade, ainda que tardia”, mas na internet circulam diversas “traduções” para o dístico de Virgíliolibertas que sera. Há, por exemplo,  fotos de uma garota que tatuou: “Libertas que será também”. E, para mim, o mais curioso não é ter errado na tradução (poucas pessoas têm conhecido da língua latina ou tomam o cuidado de checar sua tradução leiga em uma fonte segura), o pior é o erro de português!

E então ela leva estampado no corpo a ignorância da língua latina (totalmente perdoável) e a ignorância da língua portuguesa (não tão perdoável assim).

Written by Quel

setembro 12, 2009 at 3:13 pm

Publicado em Curiosidades, Latim