Quel

As aventuras de Pequena Quel

leave a comment »

Episódio de hoje: Super-Lady salva o dia

Nesta linda manhã de sábado, Quel decidiu acompanhar sua mãe ao mercado. Depois de alguns dias acamada, qualquer desculpa para sair de casa é mais que bem-vinda. E as duas ainda levaram o cachorrinho para passear. Lady Biscoito é uma simpatia de cachorro, gosta de chamar a atenção e de brincar com estranhos. Ela late, chora, rola no chão, faz o que for preciso para convencer as pessoas a pararem para lhe fazer um carinho ou ao menos um elogio (“que cachorro bonito!”, “de que raça ele é?”, “morde?”, “é filhote ainda, não?”, “é uma menina!”, “que gracinha!”). E por isso é sempre um prazer passear com essa miúda.

Hoje, enquanto Senhora Dona Mãe fazia as compras, pequena Quel e Biscoitinha ficaram aguardando do lado de fora. Muitas pessoas passaram por elas, algumas sequer olharam para o lado, mas várias pararam para brincar com a animada cachorrinha.

Pequena Quel, meio distraída, acompanhou com os olhos enquanto um carro ocupava uma das vagas perto da entrada. Eis que um conhecido adesivo lhe indica que em breve ela veria um antigo vizinho de Kitnet. E pequena Quel não estava muito contente com o possível reencontro, então deu as costas com a certeza de que ele jamais a reconheceria (tão longe de Barão, mais magra, mais loira, com óculos de sol e acompanhada de um cachorro). Mas Lady percebeu que algo não estava bem e começou a encarar o moço e a rosnar baixinho. Pequena Quel continuou de costas, tentando distrair sua cachorrinha:
“Não, menina, faz isso não… olha lá a mãe na fila do caixa… cadê a mãe, bebê? Cadê a mãe?”
Mas não adiantou, Lady continuou cismada com o moço. E, para não deixar dúvida alguma sobre sua identidade, ao se aproximar, o infeliz falou baixinho… “gostosa!”

Lady BiscoitoPronto! Pequena Quel nem teve tempo de reagir diante da grosseria… Lady Biscoito avançou no cara e começou a rosnar feito louca, mostrando os dentes e latindo de um jeito nunca visto antes. E foi difícil segurar a ferinha. O homem recuou e disse rindo com desdém: “eu estava só brincando, não precisava mandar o cachorro atacar”.
Ninguém precisou mandar o cachorro atacar. O cachorro nem conhece esse comando. O cachorro senta, deita, fica, vem, finge de morto, dá a patinha, mas não ataca, não por comando. E, assim, Lady Biscoito provou ser muito sensível ao que acontece à sua volta e mostrou que sabe decidir sozinha quando é hora de deixar de ser uma princesinha fofa para ser uma guerreira advogada dos bons costumes.

Chegando em casa, essa pequena heroína ganhou muitos mimos. Que orgulho!
Parece que pequena Quel agora tem uma excelente companheira para lhe ajudar nas batalhas da vida! Tem como não amar esse cachorro???

Anúncios

Written by Quel

dezembro 6, 2014 at 2:30 pm

As aventuras de pequena Quel

leave a comment »

Episódio de hoje: Entrando no elevador

Pequena Quel, como muitos de nós, é feita de sonhos malucos, afetos sinceros, boas lembranças, sorrisos tímidos e olhares que dizem tudo. E acredito que essa é uma boa combinação. Mas, infelizmente, nessa receita há alguns tantos ingredientes que pequena Quel preferiria que não estivessem lá. E um deles é o medo.
Pequena Quel tem medo. E tem medo de muitas coisas:
– aranhas,
– ficar sozinha no escuro,
– palhaços tristes,
– assistir filmes de terror (sem a Lu)
– escorpiões,
– ser apedrejada por crianças em Fez,
– windows 8,
– não terminar o mestrado,
– fanatismo,
– tomar as decisões erradas etc.

A lista é mais grandinha que isso. Mas se tem algo que leva pequena Quel a passar mal de tanto medo, esse algo é ficar presa em lugares fechados. E é por isso que ela desconfia de elevadores. Não espere um dia dividir o elevador com a Quel e ao mesmo tempo ter uma descontraída conversa sobre o tempo. Não vai funcionar. Ela estará toda tensa localizando o botão de emergência e se perguntando se o elevador irá parar, se as luzes vão se apagar, se ela vai morrer ali… enfim, nada de muito estranho para quem compartilha desse medo.

Mas no mundo em que vivemos, com prédios cada vez mais altos, seria impraticável ignorar a necessidade dos elevadores, então pequena Quel foi buscando meios de lidar com isso da melhor maneira possível. E foi assim que ela aprendeu que prefere ter companhia ao usar um elevador, pois sozinha sobra mais espaço para o medo se acomodar e incomodar. Mas companhia demais também não é confortável, pois é preciso ter espaço para ficar relaxada, respirar tranquila e repetir para si mesma que está tudo bem e que o elevador não irá parar. Então, se o elevador estiver muito cheio, mesmo que ela esteja morrendo de pressa, pequena Quel vai esperar o próximo. E não adianta o senhor simpático se espremer no canto para lhe indicar que ela pode entrar, ela dará um discreto sorriso e se recusará a entrar no elevador lotado; fina e elegante, como se fosse importante demais para dividir espaço com aquelas tantas pessoas que se encontram ali. Mas não é arrogância. É medo. E, como todo medo, é também irracional.
Talvez o oposto do medo seja o prazer. E, se for assim, para pequena Quel, um prazer tão grande quanto seu medo de elevadores é poder viajar. E foi em uma das viagens mais gostosas que ela já fez na vida que nossa heroína precisou encarar seu maior medo.

Pequena Quel estava tendo um dia particularmente feliz. Havia desfrutado de uma divertida viagem de carro, de um conturbado almoço em Bruges e de uma deliciosa tarde na companhia de amigos super queridos. O dia já estava terminando quando chegaram em Bruxelas. E o plano era bem simples: fazer o check-in no hotel, tomar um rápido banho e virar a noite bebendo, rindo e respirando o ar da boemia europeia.
O rapaz do hotel acompanhou pequena Quel e seus amigos até a porta do elevador, prontificando-se a ajudar com a bagagem. O elevador chegou e a porta se abriu diante do grupo…

O horror! O horror! Por Hércules! O que era aquilo?
Velho, vermelho, vesano! Aquilo não era um elevador! Era um pesadelo!

Pequena Quel sabia que algo estava errado e que não podia entrar naquela cápsula da morte. Mas, encorajada pelos amigos que já iam se acomodando no minúsculo espaço e pelo rapaz que lhe indicava o caminho com os braços e exibia um malicioso sorriso, pequena Quel ignorou todos os alertas que sua mente lhe enviava e entrou. E ainda exibiu seu francês ao agradecer o rapaz que gentilmente lhe conduzia a uma das piores experiências de sua vida.

TheShineAs portas se fecharam lentamente diante de seus olhos dando uma leve tremidinha antes de se encontrarem. O elevador fez um barulho estranho e subiu um pouquinho. E aí parou. E aí subiu mais um pouquinho. E parou. E continuou parado. E o ar foi sendo sugado para fora. E tudo começou a girar. E um verdadeiro pânico invadiu o elevador e atingiu em cheio nossa pequena amiguinha. E foi horrível.
O que fazer numa hora dessas? Processar o hotel? Consertar o elevador? Tratar o pânico que se instaurava? Registrar o acontecido para a posteridade? Tínhamos advogados, engenheiros (elétrico e mecânico), psicológo, historiador… e a pequena linguista estava surtando tanto que não conseguia nem produzir uma vogal, muito menos a fricativa necessária para começar a pedir socorro…

E a voz ficou travada na garganta. E as lágrimas foram inevitáveis. E pequena Quel sabia que a situação, no fundo, oferecia pouco risco, quiçá risco nenhum. Mas ainda assim chorava. Mas não chorava de medo, pois maior que o próprio medo era a vergonha do medo que sentia. E se algo a impedia de entrar em pânico era o fato de não estar sozinha, mas na companhia de amigos incríveis que estavam ali tentando lidar com a situação da melhor maneira possível. Foi horrível, mas sem a companhia certa teria sido mil vezes pior. E quando as portas finalmente se abriram e o ar voltou a encher seus pulmões, pequena Quel correu para fora do elevador como um bichinho assustado. E, depois do acontecido, mesmo de madrugada, quando voltou para o hotel meio bêbada e meio cansada, morrendo de vontade de fazer xixi, ela subiu correndo todos os lances de escada sem reclamar, sem nem pensar em entrar no elevador novamente.

Mas agora, toda vez que precisa entrar em um elevador suspeito, pequena Quel se recorda daquela tarde e repete para si mesma: “se o elevador parar, eu vou sobreviver; já passei por isso uma vez e ficou tudo bem”. O bastardo do medo ainda está lá, mas nossa pequena heroína agora sabe que é capaz de enfrentá-lo. E se um golpe não funciona mais de uma vez em um mesmo cavaleiro, o medo agora está em desvantagem. E que venham os próximos desafios! Mas, por favor, não joguem aranhas na Quel, não é assim que funciona…

Written by Quel

dezembro 5, 2014 at 2:30 pm

As aventuras de pequena Quel

leave a comment »

Episódio de hoje: Ganhando um cachorrinho

A manhã acordou lentamente. O perfume dos panetones assados no dia anterior ainda pairava no ar e se misturava com aquela leve alegria tão típica das manhãs de Natal. Na sala, sentada junto à árvore decorada com anjinhos de madeira, uma pequena garotinha, ainda em seu pijama, aguardava ansiosamente a chegada de seu presente.
Essa esperta garotinha já sabe que Papai Noel não existe, então aperta suas mãozinhas com toda a pequena força que possui, pedindo aos céus que seus pais tenham lhe comprado um vistoso cachorrinho.
*Nada torna a vida mais linda que os sonhos de uma inocente criancinha na manhã de Natal*

Mas, infelizmente, a vida é cheia de “mas”, “porém”, “todavia”, “contudo” e outras tantas adversativas que exprimem tão bem nossas adversidades!
E o “mas” dessa história possui um nome composto e pomposo: Rinite Alérgica. Pois é, aquela meiga garotinha, esperando ganhar o cachorrinho que inundará sua infância com lindas recordações, está prestes a sofrer sua segunda grande decepção. A primeira foi quando enterrou suas moedinhas acreditando que nasceria um pé de dinheiro (o Eto e o Rik juraram que daria certo!).

Voltemos àquela fresca manhã de Natal… E lá estava nossa amiguinha, apertando os lábios com os dentes, olhando esperançosa para o corredor, de onde seus pais viriam trazendo nos braços seu já tão amado bichinho de estimação. Eis que, quando seus pais finalmente adentram o recinto, um acanhado feixe de luz, escapando por entre as cortinas, acerta em cheio os olhos da menininha, fazendo com que ela pisque várias vezes seguidas e leve suas pequenas mãozinhas ao rosto para conter as lágrimas. Alérgica e Fotofóbica. São necessários alguns segundos para que a garotinha recupere a visão e consiga ver, lacrimejando, o que seus progenitores trazem nas mãos: um lindo casal de… tartarugas. Dingou e Bel.

Naquele exato momento, pequena Quel aprendeu uma lição em sua vida: tartarugas são os cachorros das crianças alérgicas. Dez minutos brincando com seu presente e pequena Quel aprendeu uma nova lição: tartaruga não é cachorro coisíssima nenhuma. E coitadinhas das crianças alérgicas!

Seus pais, com a melhor das intenções, tentaram lhe mostrar que aqueles bichinhos seriam mais interativos que os passarinhos da família Faustino (de fato!). E pequena Quel, sendo a boa filha que sempre foi amou aquelas criaturinhas com todo o seu coração e prometeu cuidar delas como se fossem dois vívidos cachorrinhos.

É importante fazermos nesse momento uma singela ressalva. Não pense, caro leitor, que pequena Quel havia ganho um casal de jabutis, os quais poderiam andar independentemente, ainda que lentamente, pela casa. Não! Eram duas tartaruguinhas de aquário, apáticas criaturas que sequer fixavam seus olhos em sua miúda dona.

Os anos foram se passando e pequena Quel dava tudo de si para conseguir brincar com seus animaizinhos de estimação. Ela tirava os bichinhos do aquário, contemplava sua frustrada tentativa de fuga, devolvia-os ao aquário, batia no vidro, servia-lhes petiscos e repetia para si mesma que estava se divertindo muito.
Alegria maior foi quando uma terceira tartaruga veio compor a matilha: a Alcaparras.
Alcaparras era o mais perto de um cachorro que pequena Quel teria por anos. Ela reconhecia o próprio nome e parecia gostar de ter sua barriguinha coçada, pois sempre retribuía o carinho com aquele ronronar mudo tão típico das tartarugas.

Eis que, numa tarde cinzenta, Dingou faleceu. Papai Faustino, sempre tão atento à felicidade de seus filhos, não tardou muito a providenciar um novo macho alfa para a matilha: Dino.
Acontece que Dino possuía um segredo sombrio: era um psicopata assassino. Tudo o que essa tartaruga sanguinária queria era morder, mutilar e se comprazer com o desespero alheio. E, quando ele mordia, era sempre arremessado contra a parede numa tentativa desesperada da vítima de se livrar do seu predador. Um aviso, caro leitor! Antes de se apiedar da criatura, saiba que ela não se machucava ao ser impetuosamente arremessada, ela rapidamente se recompunha e vinha correndo morder os pés de sua presa. Recolher a fera assassina e recolocá-la no aquário exigia coragem, agilidade e mais um pouco de coragem. Graças a ele, mesmo a simples tarefa de alimentar as tartarugas era complicadíssima, pois Dino estava sempre à espreita, pronto para atacar sem dó nem piedade a mão de sua afetuosa dona.

E esses répteis frios e apáticos foram os primeiros cachorros que pequena Quel conheceu em sua vida. Depois veio o Neno, uma fofura de cão-roedor (mas essa é outra história). Por isso, amigo leitor, quando você ver nossa amiguinha brincando com Lady Biscoito de maneira esquisita, lembre-se: Quel ainda não sabe ao certo como é ter um cachorrinho de verdade, então ela faz o melhor que pode com tudo o que aprendeu em suas experiências anteriores.

Written by Quel

dezembro 4, 2014 at 2:30 pm

As aventuras de pequena Quel

with one comment

Episódio de hoje: Aprendendo alemão

Aula de alemão. Sala abafada. Calor dos infernos. E fome. Muita fome. Afinal, quem foi que disse que aula de alemão na hora do almoço é mais legal que noite adentro?
A professora entra na sala e faz a chamada. 20 alunos presentes, outros 4 devem estar comendo batatinhas na física ao invés de estudarem o mais-que-perfeito de língua teuta. A professora parece brava, tem cara de má. E pior: só fala alemão em sala de aula! Ela se levanta, caminha pela sala, olha bem o rosto de seus alunos e começa a dar instruções sobre o que eles devem fazer. Pequena Quel, cujas perninhas não alcançam o chão, balança os pés para frente e para trás enquanto entende algumas informações soltas: atividade, 5, alunos, 4, livro, caderno, descer, biblioteca, caixa, dicionários.
E então a professora deixa a sala.

Aos poucos, conversando entre si, os alunos vão montando um quebra-cabeça: atividade para ser feita em grupos de 5, não!, em 5 grupos de 4 alunos; devem usar o livro e anotar as respostas no caderno; a professora vai descer até a biblioteca para buscar a caixa com os dicionários.
Todos, satisfeitos com a aparência final do quebra-cabeça, arrastam carteiras e, vagarosamente, montam grupinhos mal distribuídos pela sala.

A professora retorna, coloca a caixa de dicionários em cima da mesa, chama a estagiária (Leah, alemã, berlinense, gosta de política) e elas começam a conversar entre si em voz baixa. Os alunos também conversam entre si enquanto aguardam instruções. As instruções não chegam. Pequena Quel olha insegura para a professora, para a estagiária, para seus pezinhos, para a Mi, para seus colegas e, então, volta a olhar seus pezinhos enquanto os balança para cá e para lá.

Um aluno levanta e pega um dicionário. Bravo guerreiro! Orgulho de toda uma turma, quiçá de toda uma nação! Outro colega o segue. Pequena Quel se levanta e pega um para si e mais um para cada colega em seu grupo (é preciso fazer amizades para se sobreviver a um semestre de alemão). Em pouco tempo, cada aluno segura um dicionário. E, então, cada um olha para o colega do lado com a expressão de quem quase pergunta. Alguns minutos entram na sala e, ignorando o grupo confuso, logo vão embora, sem oferecer ajuda ou esperar pelo desfecho. É assim que o tempo passa.

Pequena Quel finalmente divide sua angústia com os colegas do grupo, em voz baixa, quase num sussurro: “ela já disse o que temos que fazer?”; um colega do grupo ao lado responde: “acho que sim, deve ser tarefa do livro”. Rapidamente, cada aluno abre seu livro e começa a procurar a tarefa… uma tarefa… qualquer tarefa! A busca é incessante. Aos poucos, vozes inquisidoras vão se tornando cada vez mais altas:
“ela disse mesmo?”,
“deve ter dito!”,
“acho que é o exercício 5”,
“ela falou alguma coisa de caderno”,
“ela também falou ‘allerdings’, mas não entendi o resto”,
“o que é ‘allerdings’?”,
“ale-o-quê?”,
“‘allerdings!”,
“que palavra engraçada!”…

E, assim, mais alguns minutos vão embora. Quando os alunos se dão conta de que não haviam entendido qual era a tarefa, uma pequena vergonha surge na sala e, aos poucos, vai tomando conta da turma. E pequena Quel só consegue olhar para seus pezinhos, para cá e para lá. Mais de quatro semestres de estudos e ninguém havia entendido o que deveria ser feito. Pezinhos. E agora? Para cá. Perguntar? Para lá. Correr o risco de levar uma bronca? Pezinhos. Mas já se passou tanto tempo! Para cá. Alguém vai perguntar logo. Para lá. E logo era tarde demais.
Eis que a estagiária pergunta à professora:
_ O que eles estão fazendo?
E a professora responde surpresa:
_ A tarefa!
_ Que tarefa?
_ A tarefa que eu passei para eles.
_ Mas você não passou tarefa nenhuma o_O

Todos os olhares estão fixos na professora. Ela respira fundo e olha para pequena Quel, que, muito habilmente, concentra-se em seus pezinhos, para lá e para cá. A professora então se dá conta de que não havia passado a tarefa. Ao sair para buscar os dicionários, esquecera-se de que não havia terminado de dar suas instruções. Mas ela está brava. Como ela iria saber que não havia passado a tarefa? Todos estavam com dicionários em mãos, lendo o livro e discutindo em grupo! A vergonha fica cada vez maior, até tomar conta da Unicamp inteira. Os alunos no CB de súbito se sentem envergonhados sem nem saber o motivo. E, na aula de alemão, pequena Quel é toda pezinhos, para cá e para lá.

Written by Quel

dezembro 3, 2014 at 2:30 pm

As aventuras de pequena Quel

leave a comment »

Episódio de hoje: Comprando uma geladeira

Em dezembro de 2012, pequena Quel, que já não é tão pequena assim, comprou uma geladeira da GE. Duplex, 445 litros, Frost Free e o escambau a quatro. Só que a geladeira veio com problemas existenciais. Não tinha vocação para refrigerador. Desde que foi montado, esse eletrodoméstico queria ser um armário. Um armário branco, bonito e imponente… mas um armário. E ao longo do ano nossa heroína teve que lidar com as crises dessa complexa geladeira. E vejam bem, caros leitores, pequena Quel sempre respeitou e defendeu o direito de escolha de seres animados e inanimados. Mas essa não era uma situação comum. Acontece que, em seus ataques, o louco refrigerador acabava ferindo todos ao redor. Vários alimentos não resistiram e, após dias de agonia, pereceram. E existe coisa mais doída na vida que ver uma bandejinha de bacon ser jogada fora? Era uma bandeja com tanto potencial! Poderia ter sido tanta coisa gostosa na vida… mas a GEladeira desvairada, num posicionamento absurdamente autocentrado, roubou do bacon todas as suas possibilidades. E isso pequena Quel não podia perdoar. E não vamos nem falar dos queijos, ok? Esta história já é trágica demais sem ficarmos listando os queridos companheiros que pereceram antes do tempo.

E então, a cada crise, o técnico autorizado era chamado. Ele vinha, conversava com a GEladeira, fazia carinho, trocava os parafusos soltos e fazia com que ela voltasse a gelar. Mas essas crises existenciais se repetiram várias vezes ao longo do ano e, em dezembro de 2013, pequena Quel percebeu que a garantia da GE estava para vencer e que a diaba iria continuar tendo suas crises a cada três meses. Assim, pequena Quel tomou duas importantes decisões: pedir o dinheiro de volta (conforme prevê o código de “defesa” do consumidor) e comprar uma geladeira que fosse assim uma Brastemp.

É claro que conseguir o dinheiro de volta não foi fácil. Foram meses de muita luta e inúmeras ligações no SAC da MABE. A princípio, pequena Quel não estava só: ela tinha o Super-PROCON do seu lado. Levou um tempo até ela perceber que o PROCON só servia para lhe orientar incorretamente e lhe fazer promessas que não era capaz de cumprir. Ainda assim, após quase quatro meses e muito estresse, o dinheiro foi devolvido.
E aí pequena Quel foi toda saltitante comprar uma nova geladeira. Ela tomou banho, colocou uma roupa bonita, arrumou o cabelo, passou perfume e… entrou no site do Extra para comprar sua Brastemp. Depois de tantos meses e de tanta briga para se livrar do encosto da GE, tudo o que ela queria era uma geladeira decente, discreta e que cultuasse bons livros. A compra foi feita e a geladeira foi entregue. Fim? Até parece…

Depois de checar a nota fiscal e as etiquetas externas do produto, pequena Quel disse “tchau” aos simpáticos entregadores e foi abraçar e amar sua Brastemp. Tirar o plástico e as mil proteções de isopor foi uma diversão à parte. Nossa amiguinha pulava feliz da vida para conseguir soltar o plástico que se enroscou na parte de cima do refrigerador! Cenas de sincera felicidade.

Mas nem tudo são flores na vida de pequena Quel… quando ela finalmente foi conectar a bonitinha na tomada, veio a surpresa: 220V. Estranho, pois ela comprou uma 110V.
Nota fiscal: 110V
Etiqueta na porta: 127V
Etiqueta grande atrás da geladeira: 127V
Etiqueta pequena atrás da geladeira: 220V
Etiqueta no plug: 220V
Adesivo no motor: 220V
WTF? Tão brincando de quê?

Essa era para ser a geladeira perfeitinha… aquela que iria refrescar seus dias com chá gelado, cuidar do seu bacon, proteger seus queijos e, de quebra, gelar as taças ao lado da garrafa de champagne francês (pois pequena Quel é chique e manda beijin no ombro).

Agora nossa pequena aventureira parte em uma nova jornada: conseguir trocar a geladeira por uma com a voltagem definida e correta. O prazo informado para a troca é dia 28/03; afinal, geladeira não é algo assim tããão importante. Nossa heroína não estava fazendo nada mesmo, então ela pode se sentar e esperar. No momento só posso dizer que pequena Quel está aceitando doações de caixas de isopor e paciência.
E aí, amiguinhos? Conseguirá pequena Quel ter uma geladeira que funciona?

[Continua…]

Written by Quel

dezembro 2, 2014 at 2:27 pm

Mensagem Subliminar IV: Hércules

with 5 comments

Para começar, precisamos contextualizar o filme Hércules (1997), pois os caça-subliminares parecem não se dar o trabalho de separar o mundo-real-atual do mundo-mitológico-grego-antigo:

O desenho conta a história do personagem mitológico Hércules (também conhecido por Héracles, Alcídes e por muitos epítetos), herói famoso em toda a literatura antiga (cf. Hesíodo, Apolodoro, Virgílio, Propércio, Ovídio, Higino, Sêneca, entre muitos outros autores). O filme da Disney traz uma versão do mito de Hércules levemente baseada nos dados mais recorrentes entre as várias versões existentes e, claro, com inovações para cativar o público infantil.

A história se passa no mundo mitológico da Grécia antiga, ou seja, está muito distante da nossa realidade: mesmo entre os gregos antigos, segundo relatos, não era possível afirmar se Hércules existiu ou se era somente uma história inventada que foi contada ao longo de gerações; e, se ele existiu, o mais provável é que ele não era um herói semi-humano com força sobrenatural. Assim, a história de Hércules não evoca um civilização demoníaca que lida com forças malignas, mas um povo antigo cujas crenças devem ser respeitadas.

Para minha crítica, dentre os muitos sites que apontam subliminares em Hércules, utilizei principalmente esteeste e este vídeo (de um pastor).

Enfim, o primeiro ponto que sempre criticam em relação à história é a presença de Hades, que muitos afirmam ser “inferno” em grego. Mas eu explico: Hades vem do grego Άΐδης, que significa “aquele que não pode ser visto”; era, de acordo com a mitologia, o deus do Mundo dos Mortos, também chamado de Inferno (mas que não deve ser identificado com o Inferno dos cristãos, pois há uma distância cultural gigantesca entre essas duas definições). É evidente que mais tarde a palavra Hades foi utilizada para designar o inferno do mundo cristão, como pode ser verificado em algumas passagens bíblicas, mas foram homens cristãos que fizeram essa identificação muito depois do surgimento de Hades na religião grega.

É importante destacar que Hades não era necessariamente mau, assim como todos os outros deuses, ele desfavorecia ou favorecia alguns mortais de acordo com sua vontade. Mas na história da Disney ele é o vilão, ou seja, ele é como o Capitão Gancho ou a bruxa malvada da Branca de Neve: não é o demônio em pessoa se manifestando pra destruir criancinhas diante da TV.

A figura de Phil, treinador do herói, também é apontada como referência ao demônio em forma de bode. Bom, Filoctetes na mitologia grega possuía a forma humana e não desempenhava o papel que ele tem na animação; mas muitas são as figuras metade bode e metade homem na mitologia, como os sátiros e o deus Pan. Há quem diga que Phil é uma referência ao paganismo, então eu digo: o filme todo é uma grande referência ao paganismo, pois a religião grega antiga, não sendo cristã, pode ser considerada pagã.

Há uma cena do desenho muito comentada nos sites de subliminares: nessa cena, o fogo da cabeça de Hades forma a palavra Jesus (bem no momento em que ele diz “e o único idiota que pode estragar tudo está perambulando por aí”) e depois esse mesmo fogo forma uma cruz.

Ok. Vamos analisar a imagem da “óbvia” referência a Jesus que não dura nem meio segundo:

Eis o que os “especialistas” em subliminares veem:


Como quem procura acha, olha o que eu encontrei nessa mesma cena:

1. J suis, do francês, Je suis (“eu sou”); dessa forma, acredito que a disney estava conduzindo as crianças, principalmente as francesas, a um momento de catarse, para que pudessem refletir sobre sua trajetória pessoal.

2. S.O.S.: uma clara referência à necessidade de se pedir ajuda em caso de incêndio, alerta reforçado pelo fogo que emana do corpo de Hades.

3. II aviãozinho Y N: como sabemos, YN é New York ao contrário. A referência ao ataque  às torres gêmeas do WTC é evidente no desenho do primeiro prédio prestes a ser atingido pelo avião terrorista, e o fogo de Hades ajuda a compor a cena trágica que chocou o mundo no dia 11 de setembro de 2001. Essa previsão é ainda reforçada pelo fato de Hércules (1997) ter estreado na Nova Zelândia no dia 11 de setembro (ver IMDB).

Em relação ao símbolo da cruz, preciso mesmo explicar? Se a personagem tem na cabeça uma chama que é atiçada de acordo com seu humor, numa explosão de raiva é aceitável que ela tome conta de todo o seu corpo; e, se ele abre os braços nesse estado de ira, o que temos? Uma cruz.

Ora, qualquer pessoa em pé que abrir os braços com as pernas fechadas irá formar uma cruz (será coincidência? o.O). Há quem veja no Cristo Redentor uma referência a sua crucificação, mas há quem veja nele um Jesus abraçando a humanidade, abençoando o Rio de Janeiro e distribuindo amor. Ou seja, nem todo braço aberto faz referência à cruz. E mais, a cruz, antes de ser o símbolo do cristianismo, era uma estrutura de madeira que mantinha os prisioneiros (cristãos ou não) de braços abertos para que tivessem uma morte lenta e dolorosa; e a forma em T era só um dos muitos modelos utilizados para a crucificação na antiguidade.

E agora eu pergunto, quem é “o único idiota que está perambulando por aí” a quem Hades se refere naquela cena?
a)     Hércules.
b)     Jesus.
c)     Quem inventa mensagens subliminares para assustar criancinhas.
d)     Eu, que me dou ao trabalho de tentar explicar o que mentes doentias veem em uma simples animação infantil.

Written by Quel

setembro 4, 2010 at 7:49 pm

Mensagem Subliminar III: A Pequena Sereia

with 8 comments

pequena sereia capaJá critiquei as supostas mensagens subliminares dos livros do Harry Potter e do filme da Cinderela; e mais uma vez venho compartilhar as bizarras notícias de subliminares, desta vez, no filme A Pequena Sereia (1989):

A primeira mensagem subliminar apontada em tudo quanto é site sobre o assunto é a suposta imagem de um pênis que aparece no palácio de Tritão. Antes de julgarmos se a figura é capaz de incitar o desejo sexual em alguém, é preciso nos perguntar se no nosso dia-a-dia não nos deparamos com outras imagens semelhantemente penisesfálicas. Não foi preciso buscar muito no Google para encontrar imagens assim em legumes e árvores. Então será que podemos mesmo julgar que o desenhista do palácio quis que uma coluna nos remetesse a um órgão sexual?

Aproveito para lembrar que, na Roma Antiga, crianças costumavam pendurar no pescoço pingentes em forma de pênis: era uma forma de atrair boa sorte e reverenciar o deus Priapo. Também as figas, cujo uso ainda perdura, são referências ao deus fálico, portador de um avantajado membro. Será que os mesmos puritanos que condenam o filme da Disney não possuem em casa uma “inocente” figa, símbolo da pepriaponetração sexual? E que medo é esse de imagens que nos remetem ao sexo? Elas não nos tornam mais devassos. A malícia está na cabeça das pessoas. Na Roma antiga, os jardins eram decorados com imensas estátuas de pênis e as pessoas ostentavam na sala de suas casas imagens de um Priapo nu. Tudo muito normal. Ninguém se ofendia. E então veio a Igreja proibir, condenar, reprimir.

Na capa também surgem comentários a respeito da posição do príncipe ao lado de Ariel. Uma pergunta que algum caça-sublimar propôs e que foi repetida em todos os sites do gênero é: onde está a mão dele? Oras! Qualquer pessoa com bom senso, levando em conta as proporções anatômicas humanas, perceberá que a mão dele não está em nenhuma posição suspeita. De qualquer forma, a Disney, provavelmente para evitar maiores comentários, desenhou a mão dele em cima da pedra na capa para a nova versão do filme.

padre eretoMas não é só no palácio de Tritão que os puritanos fazem questão de ver um pênis. Dizem que o padre que celebra o malfadado casamento está excitado: quanta imaginação! Pois se aquela dobrinha na roupa do padre é um sinal de excitação, o membro dele é um tanto desproporcional em relação ao resto do corpo. E a dobrinha surge logo após um movimento que ele faz com os braços, sugerindo um simples movimento da batina e não uma ereção (veja aqui). De qualquer forma, na versão em DVD, a dobrinha na roupa do padre não aparece mais, e só sabemos que ela estava lá por conta dos mil sites que exibem a imagem da versão antiga do desenho.

sereia nao sexyUma ONG criada para denunciar mensagens subliminares viu sensualidade demais no corpo de Ariel. É curioso observar que, embora o site se refira claramente à princesa da Disney, a imagem exibida é a de uma versão genérica para a história da pequena sereia. Mas o caso é que a princesa tem curvas, é magra: típico padrão de beleza difundido pela sociedade e que, sereia sexynão se pode esquecer, faz parte do imaginário popular em relação às sereias; mas não vejo nada de exageradamente sensual em sua imagem. Que o pessoal do site não veja as versões mais picantes para a princesa que andam aparecendo na internet!

Enfim, acredito que subliminares existem e que é interessante sua divulgação na internet; mas falta muito bom senso. Antes de se colocar fogo em todas as animações da Disney, acho importante prestar mais atenção e se perguntar sempre se, de fato, é no filme que a malícia está.

Written by Quel

setembro 16, 2009 at 1:08 am