Quel

As aventuras de pequena Quel

with one comment

Episódio de hoje: Aprendendo alemão

Aula de alemão. Sala abafada. Calor dos infernos. E fome. Muita fome. Afinal, quem foi que disse que aula de alemão na hora do almoço é mais legal que noite adentro?
A professora entra na sala e faz a chamada. 20 alunos presentes, outros 4 devem estar comendo batatinhas na física ao invés de estudarem o mais-que-perfeito de língua teuta. A professora parece brava, tem cara de má. E pior: só fala alemão em sala de aula! Ela se levanta, caminha pela sala, olha bem o rosto de seus alunos e começa a dar instruções sobre o que eles devem fazer. Pequena Quel, cujas perninhas não alcançam o chão, balança os pés para frente e para trás enquanto entende algumas informações soltas: atividade, 5, alunos, 4, livro, caderno, descer, biblioteca, caixa, dicionários.
E então a professora deixa a sala.

Aos poucos, conversando entre si, os alunos vão montando um quebra-cabeça: atividade para ser feita em grupos de 5, não!, em 5 grupos de 4 alunos; devem usar o livro e anotar as respostas no caderno; a professora vai descer até a biblioteca para buscar a caixa com os dicionários.
Todos, satisfeitos com a aparência final do quebra-cabeça, arrastam carteiras e, vagarosamente, montam grupinhos mal distribuídos pela sala.

A professora retorna, coloca a caixa de dicionários em cima da mesa, chama a estagiária (Leah, alemã, berlinense, gosta de política) e elas começam a conversar entre si em voz baixa. Os alunos também conversam entre si enquanto aguardam instruções. As instruções não chegam. Pequena Quel olha insegura para a professora, para a estagiária, para seus pezinhos, para a Mi, para seus colegas e, então, volta a olhar seus pezinhos enquanto os balança para cá e para lá.

Um aluno levanta e pega um dicionário. Bravo guerreiro! Orgulho de toda uma turma, quiçá de toda uma nação! Outro colega o segue. Pequena Quel se levanta e pega um para si e mais um para cada colega em seu grupo (é preciso fazer amizades para se sobreviver a um semestre de alemão). Em pouco tempo, cada aluno segura um dicionário. E, então, cada um olha para o colega do lado com a expressão de quem quase pergunta. Alguns minutos entram na sala e, ignorando o grupo confuso, logo vão embora, sem oferecer ajuda ou esperar pelo desfecho. É assim que o tempo passa.

Pequena Quel finalmente divide sua angústia com os colegas do grupo, em voz baixa, quase num sussurro: “ela já disse o que temos que fazer?”; um colega do grupo ao lado responde: “acho que sim, deve ser tarefa do livro”. Rapidamente, cada aluno abre seu livro e começa a procurar a tarefa… uma tarefa… qualquer tarefa! A busca é incessante. Aos poucos, vozes inquisidoras vão se tornando cada vez mais altas:
“ela disse mesmo?”,
“deve ter dito!”,
“acho que é o exercício 5”,
“ela falou alguma coisa de caderno”,
“ela também falou ‘allerdings’, mas não entendi o resto”,
“o que é ‘allerdings’?”,
“ale-o-quê?”,
“‘allerdings!”,
“que palavra engraçada!”…

E, assim, mais alguns minutos vão embora. Quando os alunos se dão conta de que não haviam entendido qual era a tarefa, uma pequena vergonha surge na sala e, aos poucos, vai tomando conta da turma. E pequena Quel só consegue olhar para seus pezinhos, para cá e para lá. Mais de quatro semestres de estudos e ninguém havia entendido o que deveria ser feito. Pezinhos. E agora? Para cá. Perguntar? Para lá. Correr o risco de levar uma bronca? Pezinhos. Mas já se passou tanto tempo! Para cá. Alguém vai perguntar logo. Para lá. E logo era tarde demais.
Eis que a estagiária pergunta à professora:
_ O que eles estão fazendo?
E a professora responde surpresa:
_ A tarefa!
_ Que tarefa?
_ A tarefa que eu passei para eles.
_ Mas você não passou tarefa nenhumao_O

Todos os olhares estão fixos na professora. Ela respira fundo e olha para pequena Quel, que, muito habilmente, concentra-se em seus pezinhos, para lá e para cá. A professora então se dá conta de que não havia passado a tarefa. Ao sair para buscar os dicionários, esquecera-se de que não havia terminado de dar suas instruções. Mas ela está brava. Como ela iria saber que não havia passado a tarefa? Todos estavam com dicionários em mãos, lendo o livro e discutindo em grupo! A vergonha fica cada vez maior, até tomar conta da Unicamp inteira. Os alunos no CB de súbito se sentem envergonhados sem nem saber o motivo. E, na aula de alemão, pequena Quel é toda pezinhos, para cá e para lá.

Written by Quel

dezembro 3, 2014 às 2:30 pm

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. […] Episódio: Aprendendo alemão (parte I) […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: